quinta-feira, 25 de outubro de 2012

TRAGÉDIA ANUNCIADA!

O acidente da 1001 mostra, como afirma o jornal O GLOBO de hoje, que não existe qualquer tipo de fiscalização nas empresas de ônibus no Noroeste Fluminense. Os fiscais, que deveriam agir, não agem. Mas pode-se falar em fatalidade sim, desde que se observasse que o acidente fosse um, em meio a anos e anos sem qualquer outro registro.

Ou seja, acidentes são comuns nas empresas que atuam no Noroeste. Como a Brasil, que opera a linha para Campos x Itaperuna x Miracema a própria 1001, que faz o trajeto Rio x Itaperuna. Portanto, não há fatalidade, mas apenas, MAIS um acidente!

Aliás, se compararmos, apesar da 1001 estar na berlinda, o descaso da direção da Brasil é muito maior, como o blog já registrou aqui em outras ocasiões. Os ônibus passam em Miracema, nas ruas do centro, em alta velocidade, sem nenhum cuidado com a população. Imagina nas estradas...

Lamentável é que apenas após o acidente, as pessoas e as autoridades, estão olhando para esse gravíssimo problema...

3 comentários:

kvari disse...

Mais lamentável ainda, José, é que estão pegando a 1001 pra bode expiatório enquanto tantas e tantas outas empresas fazem o mesmo senão pior - vide Brasil que ônibus até já perdeu a roda.
Daqui uns dias, acontece outro acidente, outro mensalão, outro jogo de futebol e o país esquece, as ANTT esquece, o Detro esquece, o MP esquece, mas as vítimas, as famílias delas, e as pessoas que andam de ônibus não esquecem.
Na região serrana morreram muito mais pessoas e já esqueceram!
No morro do Bumba, também!
No avião da Gol!
No avião da Tam!
Ano que vem tem Copa das Confederações no Brasil e depois Copa do Mundo...

kvari disse...

Você falou dos ônibus da Brasil em alta velocidade nas ruas de Miracema.
Essa semana mesmo teve um acidente envolvendo um deles.
Sei que você não está mais lá, mas a prefeitura não poderia tomar uma providência?
Sei lá, proibir a circulação até que respeitem, multar, ou procurar o MP e fazer um TAC com a Brasil?

Miracema disse...

Caro José Anderson,

Quando eu estava na Prefeitura eu tentei de várias maneiras: POLÍCIA MILITAR, para prender os ônibus; DETRO e nada consegui, apenas uma multa, salvo engano, porque é preciso existir o flagrante...

Só se impedissemos eles de passar no centro, mas aí seria até pior para a população..

aabçs

José