sexta-feira, 19 de novembro de 2010

HOJE EU QUERIA - José Maria de Aquino - jornalista miracemense

Ser despertado pela Banda Xv de Novembro, embora torcesse pela Sete de Setembro.

Tomar café pilato por minha ví Catharina com a broa de fubá que só ela sabia fazer.

Esperar meu tio Zé (chamado Miséria, pela rigidez nas atitudes) ir até o centro, para subir nas mangueriras, apanhar os jambos antes dos sanhaços e sabiás, catar goiabas, descobrir cajamanga maduro

Hoje eu queria brincar de tarzan nos cipós sobre as correntezas do conde, mergulhar nas lagoas rasas da fazenda dos Mouras, saborear lambaris pescados ali mesmo por meu primo Zé Arimatéia.

Hoje eu queria ter meus olhos de pequeno fixos nas tacadas do Gérson, craque na sinuca, capaz de pegar a bola vermelha e entregar a branca ao adversário.

Comer pastel no ^seo^ Vicente, acompanhando seu assobio firme, longo, olho direito aberto, esuerdo fechado.

Acompanhar Rubens Carvalho da estação ao campo da avenida Carvalho, como se ele, craque de bola local, fosse o próprio Dequinha na camisa rubro-negra que vestia com orgulho. Ver o goleiro Mocinho, cheio de banca, levar frangos e mais frangos, o zagueiro Chagas, descalço, enfrentar as solas das chuteiras dos garotos riquinhos do Tupã, jogando-os a metros de distância.

Admirar a classe do França, as jogadas geniais do Lauro, achar que Jair Polaca, meu ídolo na infância, era como Deus, capaz de (só) acertar o gol quando errava o chute. Escrever certo por linhas tortas.

Hoje eu queriavoltar a apanhar do Mané da Japonesa, moleque franzino, a quem desafiei por ter puxado os cbelas da Ana Maria, só para ver se ela descobria que eu olhava para ela. Aprender as coisas com dona Glorinha, minha primeira professora no Buarque de Nazareth.

Hoje eu queria furtar um quero mais (um só) no Bar do ^seo^ Osvaldo, pai do Boteco, Saborear o bife de pernil do Farid, encostado num cantinho, ouvindo as conversas dos doutores da cidade. Ir ‘a sessão das oito no Cine 7 e ouvir o Joca gritar que apostava 5 por 1 que o mocinho ia ganhar, mas que um dia ele ainda veria o bandido vencer.

Hoje eu queria ouvir Carlinhos Gualter tocar violão e cantar suas composições. Apreciar a beleza da Maria Alice Barroso, que diziam ter sido paixão de Orlando Silva, autora, para nosso orgulho, de best-sellers como Um nome para Natar.

Hoje eu ueria viver um 15 de novembro sem tempo definido, reunindo e resumindo tantos, como uma colcha de retalhos simetricamente cortados e costurados por minha mãe Cecíilia.. (EXTRAÍDO DO BLOG DO ZÉ MARIA AQUINO)

4 comentários:

Anônimo disse...

foi só vc publicar q já copiaram

josi

JANILDA NASCIMENTO CORREA disse...

Querido Dr. José
Fico muito feliz quando leio as crõnicas do Zé Maria,sobre nossa cidade, nossos amigos que se foram e principalmente sobre o meu pai Jair Polaca, que pela minha visão é sempre mais destacado como seu ídolo. Gostaria de agradece-lo pessoalmente, se Deus quiser terei esta oportunidade.
Abraços,
Janilda Nascimento Corrêa

Miracema disse...

Dona Janilda,

O Polaca foi o herói de todos nós, uns pelo futebol, outros (como é o meu caso) pelo carnaval.

Vou tentar mandar um email ao José Maria Aquino, que com certeza, vai ficar feliz com sua manifestação.

Prazer tê-la aqui no nosso blog.

Bom final de semana!

abçs

José Souto Tostes

Anônimo disse...

OLHA, JANILDA, É UM PRAZER IMENSO LER SUAS PALAVRAS DE AGRADECIMENTO. SAIBA, PORÉM, QUE SOU EU QUEM DEVE AGRADECER AO SEU PAI, MEU ÍDOLO DE VERDADE, ONDE QUER QUE ELE ESTEJA, PELOS MOMENTOS DE ALEGRIA QUE ME DEU, VESTINDO A CAMISA 7 DO MIRACEMENSE, MEU TIME DE INFÂNCIA. E PELA FORÇA QUE DEU AOS CARNAVAIS DA NOSSA CIDADE, FAZENDO-ME BOTAR MEU PRÓPRIO BLOCO - MULHER E TRÊS FILHOS - NA ESTRADA, VENCENDO 650 QUILÔMETROS PARA IR E OUTROS PARA VOLTAR, PARA VER DE PERTO OS DESFILES NA RUA DIREITA. TALVEZ, DE LONGE, EU ESTEJA ENGANADO, MAS CREIO QUE NÃO. SEU PAI FEZ PELO TURISMO EM MIRACEMA MAIS DO QUE MUITOS OUTROS JUNTOS. UM DIA, ACREDITE, DESCOBRIRÃO ESSA VERDADE E FARÃO A ELE A HOMENAGEM QUE FEZ POR MERECER. QUERO ESTAR VIVO PARA IR APLAUDIR. GRANDE ABRAÇO.ZM